A função enunciativa – Arqueologia do Saber

Vamos refletir um pouco sobre Foucalt. Arqueologia do Poder trás em si relações interessantes que nos remetem a uma reflexão profunda.

Da série “A Arqueologia do Saber“.

Falávamos sobre o enunciado[1]: ele não é uma frase, não é um ato ilocutório nem uma proposição, pelo contrário, o enunciado é aquilo que permite a existência desses três, é um modo singular de existência, uma função de existência.

O enunciado apresenta características próprias por ser um conjunto de signos em ação. É só na prática que ele ganha vida e pode ser analisado, nunca em abstrato, como se fosse possível definir uma quantidade potencial porém nunca praticada de enunciados.

Ver o post original 1.763 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s